Link útil para quem ainda quiser continuar nessa empreitada de escrever textos na internet

Ninguém mais lê textos na internet, na verdade até lê, mas textos longos com mais de uma página se tornam cansativos, a tecnologia mudou tanto que só quem já estava nessa obra desde a web 1.0 pode obter algum público e ter tempo livre para não competir com “redes sociais” e conteúdos voláteis tipo manchete de BBB.

Ainda assim, E ANTES FOSSE SÓ ISSO! a luz azul emitida pelas telas (emissão ativa de dentro da tela para fora) pode causar Miopia Virtual, quando é constante a frequência de leitura e escrita de coisas longas (o foco se perde, e a luz emitida pelos leds que iluminam os pixels que formam as letras se tornam mais fortes que as próprias letras iluminadas por eles).

Ao contrário da luz passiva que ilumina o seu livro ou o seu caderno, seja a luz do sol em meia sombra, seja a luz da lâmpada de sua casa.

A melhor solução para isso seria a existência de monitores com a tecnologia
E-Ink (tecnologia usada nos kindles)
, que, segundo os especialistas até o atual momento é uma tecnologia absurdamente cara para produzir em massa e a preço acessível – para ser usado como um monitor de computador em telas maiores como uma maquina de escrever moderna.

Então, é um caminho e tanto, se levar em consideração também, outras coisas, como por exemplo, dominar técnicas de otimização do código fonte do seu site e pagar hospedagem em servidor. Enfim…


Fora isso, se tu chegou até aqui pela última página do google e quer continuar nessa empreitada, tem um padrão de escrita que é razoavelmente aceito e ele está nesse link aqui (https://4one.ag/ninguem-vai-ler-os-seus-textos-no-blog-dicas-para-leiturabilidade/)

10 Frases marcantes e motivadoras direto das letras de Rap

1 – Toda minha derrota é forjada, mas minha vitória voa — Froid, Vem Tranquilo

2 – Não precisa morrer pra ver Deus, não precisa sofrer pra saber o que é melhor pra você — Criolo, Não Existe Amor Em SP

3 – A alma guarda o que a mente tenta esquecer — Racionais MC’s, Nego Drama

4 – Onde estiver, seja lá como for, tenha fé, porque até no lixão nasce flor — Racionais MC’s, Vida Loka (parte1)


5 – Eu não acho que eu seja bom, mas eu já fui pior — Teto (part. Matuê), M4

6 – Fácil lidar com o barulho que faz os convidado, foda é lidar com o silêncio que vem no fim da festa — Djonga, Eu

7 – Você não percebeu que você é o único representante do seu sonho na face da Terra? — Emicida , Levanta e Anda


8 – Querem que eu seja educado, que eu ande arrumado, que eu saiba falar. Aquilo que o mundo me pede não é o que o mundo me dá — Gabriel O Pensador, Até quando?

9 – A sua justificativa é o ensino escolar, não aprendeu a dividir, só quer multiplicar — Ultramen, Dívida

10 – (“Mas eu faço por mim, errado é se eu mudar pra te agradar”

”talvez um dia a gente aprenda a dar mais valor pro que nos traz paz, e menos valor pro que traz renda”

“Cada um escuta a voz de Deus de um jeito”

“Agrada alguns, naturalmente outros vão detestar”)
Projota, Pra não dizer que não falei do ódio

Site para pesquisar autoria de citações

Procurei, procurei, procurei…, e, não encontrei qual o tamanho e a partir de quantas palavras uma frase ou expressão precisa ter para ser considerada DEFINITIVAMENTE plágio! Portanto, essa postagem é só pra indicar algum site minimamente útil pra isso, para você não sair por aí replicando qualquer coisa atribuída a Albert Einsten por exemplo (acredite! tem muito disso por aqui – se você estiver em 2050 ou 3000 lendo essa bagaça aqui, desconsidere, pode ser que tenha melhorado ou piorado, sei-lá).

Site útil (é estrangeiro e mais trabalhoso, tem que rolar a tela até o menu, procurar o nome do autor, e só então procurar pela frase, tentei inserir na lupa do Quote investigations o nome do autor ou a frase traduzida e não funcionou!). É mais fácil você jogar a frase traduzida em um buscador qualquer (google, yahoo, bing, etc), se tiver no banco de dados do site vai aparecer a frase, geralmente na primeira página, se não tiver não vai aparecer nada.
https://quoteinvestigator.com/



Agora, se tu quiser uma coisa mais simples e segura, sem essas ‘gira volta’ aí tem o https://www.citador.pt/

“Desde o ano 2000 que o Citador recolhe conteúdos directamente das fontes bibliográficas, sem recorrer a cópias de outros sites ou contributos duvidosos a partir de terceiros.”

É isso!

Conheça o Zorin OS, um linux fácil de mexer para você chutar o windows para escanteio.


Esse blog não é sobre tecnologia, mas de vez em quando vou trazer novidades que realmente importam para o futuro. Hoje, vou falar um pouco sobre o sistema operacional Zorin, uma distribuição Linux que poucos conhecem e que visualmente se parece muito com o Windows, mas sem aqueles vícios desagradáveis do Windows que todos conhecem.

Apesar de programas baseados em Kernel Linux serem conhecidos como sistemas operacionais visualmente difíceis de mexer, não é o caso do Zorin, sua instalação é fácil e sua navegação considero até mais fácil que o Windows, não tem aquelas chatices de atualizações automáticas pulando na sua tela e atualizando automaticamente sem a sua permissão, fazendo o seu disco ficar cheio e o seu sistema furar o pneu no meio do caminho e não chegar à praia perdendo todo veraneio e ainda ter que gastar com um pneu novo.

Antes de eu mostrar o quê que tem no Zorin, vou deixar duas dica importantes aqui para quando você comprar um computador ou laptop novo que vêm com o Windows instalado, e isso é fundamental se você pretende instalar outro sistema operacional nele:

  1. Pergunte ao vendedor ou veja se na descrição do anúncio tem o tipo de Bios da placa mãe do computador. Se a Bios dela for do tipo UEFI, não compre! pois geralmente são tipos bloqueados para funcionar só com o sistema operacional que é vendido, há algumas variações que podem ser alteradas na Bios que as vezes nem mesmo o vendedor tem a informação, mas que podem ser muito trabalhosas para o usuário final, por experiência própria, escolha um computador usado e bom que funcione sem essa Bios UEFI.
  2. Computador com disco de 32 Gb é muito pouco, prefira com no mínimo 64 Gb, apesar de que com o Zorin Os você não terá muitos problemas com disco lotado por causa das atualizações automáticas, basta escolher como você quer, nas configurações.


    Configure facilmente as atualizações automáticas:
notificação de atualizações

É possível alterar a frequência de atualizações clicando em configurações:

opções para alterar a frequência das atualizações


Um vasto acervo de apps para instalar pode ser encontrado no gerenciador de programas (uma espécie de ‘Google play’, só que do linux). Os programas mais comuns já vêm instalado automaticamente, outros você pode ver se tem versão disponível digitando na barra de pesquisa, se tiver, irá aparecer. E tem bastante coisa legal!

gerenciador de programas

E se você precisar de programas acessórios tem também, e já vem pré instalados, desde alguns programas para desenvolvimento, como também educativos para crianças. Apesar de já vir com esses programas instalados, ele é considerado leve, e não exige um computador muito potente para poder rodar o sistema.

Menu inicial

Obs: Todos os sistemas linux ainda carecem de oferta de drivers para todas as marcas de impressoras. A única marca de impressora em que a maioria dos modelos (até dos mais antigos) funciona bem no linux é da marca HP. Assim como drivers e apps de alguns bancos que podem não funcionar no sistema linux. Portanto, se você instalar um linux também para essas finalidades, dê uma breve pesquisada antes para ver se é compatível.

Requisitos mínimos do sistema:

potência mínima necessária do computador

Como instalar? siga os passos abaixo!

(Primeiramente faça Backup dos seus arquivos, pois tudo será apagado para instalar o novo sistema)

  1. É necessário ter um pen drive de no mínimo 4Gb de espaço livre, para você gravar o Zorin dentro dele. O Zorin pode ser baixado gratuitamente no site oficial.
  2. Com o pen drive conectado no seu computador baixe e instale o software Rufus.
  3. Com o Rufus aberto, selecione o seu pendrive em “dispositivo” e em “seleção de boot” selecione o arquivo arquivo baixado do site da Zorin (geralmente na pasta downloads).
  4. Não é necessário alterar mais nada, apenas certifique-se de a opção “Sistema de destino” conter a palavra BIOS (desconsidere aquele UEFI ali, porque aquilo ali tá só de enfeite e não funciona em máquinas UEFI), e a opção “Sistema de arquivos” estar em FAT32.
  5. Aguarde a conclusão do processo e reinicie a máquina para entrar na BIOS, e alterar a configuração para iniciar pelo Pen drive.
  6. Siga as instruções de instalação. Assim que a instalação for finalizada, reinicie e entre na BIOS novamente, alterando configuração para reiniciar pelo disco rígido.
Rufus: Imagem ilustrativa

Há uma outra versão ainda mais leve para computadores ainda mais antigos (para processadores anteriores ao Dual Core), porem alguns programas que exigem mais poder de processamento podem não funcionar corretamente, mas pode ser útil se esse for o seu caso.
O link está aqui: https://zorinos.com/download/#lite



Links úteis:
Como dar boot no computador pelo pen drive
Crie drives USB bootaveis facilmente

Pintura artística em ovos segue viva como tradição húngara na Páscoa — Pop e Arte

recomendo: blog POP E ARTE

Faisão, galinha, ema, ganso e avestruz são algumas das aves que fornecem matéria-prima para o trabalho dos artistas. Ovos são decorados para Páscoa em oficina de arte da Hungria ATTILA KISBENEDEK / AFP Com gravuras tão delicadas como rendas e pinturas em cera, a artista húngara Tunde Csuhaj mantém a tradição ancestral de decorar ovos […]

Pintura artística em ovos segue viva como tradição húngara na Páscoa — Pop e Arte

Você pintou uma obra, e ainda tem dúvida se ela é original? Siga essas dicas!

Se você é um artista que pinta quadros e tem dúvida se a sua obra não se parece com de algum outro pintor, você deve se perguntar se esse pintor ao ver o seu quadro pintado o reconheceria como uma obra dele, ou como uma obra sua, na pior das hipóteses, ele poderia usar de má fé e dizer que você está imitando a obra dele e não poderia colocar o seu nome nela, isto é, se você dizer a ele nessa pergunta que foi você que pintou.

Para tirar totalmente a dúvida você deve fazer o seguinte – pegar o quadro que você pintou (sem dizer que é obra sua) e mostrar ao pintor X dizendo a ele o seguinte (como exemplo eu vou usar aqui Van Gogh como pintor X):

Diálogo:
Você: _Van Gogh achei sensacional esse seu quadro e resolvi comprar, onde acha que eu devo colocar?
Van Gogh (pintor X): _Meu quadro? Peraí esse quadro aí não fui eu que pintei não!
Você: _Ahh que ódio, me venderam errado!
Você: _Bom, mas achei bonito do mesmo jeito, onde devo colocar!
Van Gogh (pintor X): _Alí, do lado da varanda à meia-sombra acho que fica legal.

É um exemplo inútil, porque Van Gogh morreu no século retrasado e certamente você não conseguiria perguntar isso a ele, e sua dúvida não seria sanada assim, a não ser que você mesmo se colocasse no lugar de Van Gogh, se passando mentalmente por ele e perguntado se esse quadro se parece com o seu (com o que você pintou, antes de se colocar mentalmente no lugar de Van Gogh – sacou?). Se a resposta for não, significa que a sua obra é original e não se parece com a desse pintor X, é obvio que elas podem parecer com as do pintor Y, ou com as do pintor Z, mas você vai querer “comprar essa briga” correndo atrás de todos eles pra isso? Acho que não né! Até porque existe pintores que você não conhece, e existe bons pintores, com excelentes obras, que nunca conheceram sequer um pintor de renome antes de começar a produzir as suas.

Parece óbvio perceber que uma obra é copiada quando alguém coloca o seu nome em cima da obra de outra pessoa. Para ser uma cópia, é necessário que não apenas os traços do artista estejam presentes, mas sim o conjunto dos elementos que compõem a obra. No entanto, não é isso que acontece quando a obra passa para o ambiente da publicidade, quando não passa de mera identificação de apenas uma das partes dela.

Observe as imagens abaixo e me diga se a pintura na piscina se parece com a obra “noite estrelada” de Van Gogh.

Provavelmente você vai dizer que sim, porque está vendo a imagem de Van Gogh ao lado, mas se você visse só a imagem da piscina? O máximo que faria a imagem ficar parecida é a parte amarela destacada próximo à borda superior, ainda assim faltariam as montanhas ao fundo e as casas ao pé das montanhas, sem contar os contrastes esbranquiçados que caracterizam o vento. Tudo isso caracteriza a pintura da piscina como, no máximo, uma recriação e não uma “obra de Van Gogh”, como muitos sites nomeiam por aí, sem dar os devidos créditos ao autor. Nesse caso, toda pintura que lembra a obra de alguém e que é diferente em partes e portanto uma recriação, deve vir acompanhada do nome do autor associado da seguinte forma: “Recriação da obra de Van Gogh pintada por fulano de tal”.

Portanto, se você é um pintor que está em dúvida sobre isso, siga essas dicas. Caso você faça uma recriação, exija que o seu nome seja associado à obra e não somente a do autor que te inspirou.

Link útil:
https://jornalibia.com.br/destaque/como-e-determinado-o-valor-das-obras-de-arte/

Festas Natalinas: Porquê não mudamos a nossa cultura de soltar fogos?!

24 de dezembro, 23:00


Todos a postos para esperar o ponteiro virar a hora zero e marcar o início de mais um aniversário de Jesus Cristo, sim, dia 25 de dezembro apesar de ser lembrado como a data do Papai Noel, presentes e etc., é antes de mais nada o dia em que Jesus nasceu para a cultura ocidental. As diferentes crenças tratam esse dia de forma diferente, dando mais ou menos valor para ele, até algumas religiões orientais tem o seu próprio “Cristo”, como é o caso de Siddartha Gautama (Buda) que teria surgido antes de Jesus Cristo, e que em alguns países orientais os calendários são diferentes do ocidental, e, as comemorações de ano novo são feitas em datas diferentes.

Isso é apenas uma curiosidade que muitos desconhecem, porém, há o fator cultural dessas datas, que pode ser derivado ou não de culturas religiosas, pois há diferenças entre “cultura” e “cultura religiosa”, toda religião é também uma cultura, mas nem toda cultura é uma religião quando se trata de rever conceitos modernos. As festas Natalinas modernas, de um modo geral, são uma forma que, talvez, o indivíduo encontre para “extravasar” as suas emoções, desejos e etc., e como isso (essa forma) é praticamente um consenso cultural entre a população, os fogos de artifício, as bebedeiras e o som local com grandes decibéis que perpassam os limites da confraternização vizinha, tornam-se instrumentos quase que instantâneos para ser mais um “não vou ficar de fora – vou lá também soltar o meu”, e isso é um efeito cascata que, dá uma sensação artificial de respeito e confraternização.

Nem todos tem a mesma crença, os cães sofrem nesses dias, pois ouvem duas vezes mais alto que nós. Não precisamos forçar uma cultura ou aceitação social, temos apenas que aceitar que não somos os únicos no universo e que, na minha humilde opinião, seria muito mais saudável se começássemos a mudar esse jogo. Eu também gosto de um bar, de boa música e se divertir, e não preciso soltar fogos e nem aumentar o volume além do que os meus convidados precisam para poder ouvir.

Resenha: música “Sob um Céu de Blues”

A fumaça cinza das fábricas me dá um peso na Alma

Os Cascavelletes

Esse é um trecho da música “Sob um Céu de Blues” da banda de rock gaúcha “Os Cascavelletes”. A música fala das aflições e coisas aparentemente aleatórias em torno do sentimento de um personagem, por ter sido abandonado por sua garota em uma estação de trem, possui uma introdução violonística bem “basicona” e uma guitarra de fundo quase imperceptível soando acordes ao estilo de blues, acompanhada de uma interpretação vocálica do vocalista (óbvio né! dããnnnn..!) bregamente reflexiva que, se ficasse tocando a madrugada inteira como música de fundo de um bar ninguém notaria, e viajaria no pensamento construindo várias histórias; roteiros e etc… até o amanhecer, ainda mais se você tiver um papel e uma caneta no bolso, ou mesmo aqueles guardanapos de papel que ficam em cima da mesa e que as vezes funcionam para fazer rascunhos (uma hora você iria ter que pedir mais…_Cerveja ou guardanapo de papel?!… Não sei! _isso eu vou deixar para a sua imaginação).

Obs:

Se dirigir, NÃO BEBA!
Se não dirigir, BEBA!

Bom dia Sol nascente
Eu vim pra contar minha triste história
Minha garota me abandonou
Numa estação de trem

Sob um céu de blues
Sob um céu de blues

Eu vou bater, eu vou bater
E vou quebrar a tua janela
Eu vou rolar com os bêbados
Pelas ruas imundas

Sob um céu de blues
Sob um céu de blues

Baby, aonde está você?
Aonde você foi?
Me arranje uma bebida forte
E uma companhia na cama

Sob um céu de blues (sob um céu de blues)
Toda a minha desgraça (sob um céu de blues)
A dança das minhas lágrimas (sob um céu de blues)
Sob um céu de blues (sob um céu de blues)

Existe uma estrada
Que me leva ao meu destino
Existe uma placa
Que me diz que eu to sozinho

Sob um céu de blues (sob um céu de blues)
Toda a minha desgraça (sob um céu de blues)
A dança das minhas lágrimas (sob um céu de blues)
Sob um céu de blues (sob um céu de blues)

A fumaça cinza das fábricas
Me dá um peso na alma
É como se eu tivesse carregando
Cem toneladas de desilusões

Sob um céu de blues (sob um céu de blues)
Toda a minha desgraça (sob um céu de blues)
A dança das minhas lágrimas (sob um céu de blues)
Sob um céu de blues (sob um céu de blues)

Sob um céu de blues (sob um céu de blues)
Sob um céu de blues (sob um céu de blues)
Sob um céu de blues (sob um céu de blues)

Sob Um Céu de Blues, Os Cascavelletes

Mas o quê que tem a ver a “fumaça cinza das fábricas” com o “minha garota me abandonou”?
Nada! Se fosse descartado os elementos que fazem parte do ambiente figurativo em que se desenrola a história da música, a saber, a “estação de trem“; as “ruas imundas“; e a “bebida forte” – que apesar de a letra não citar um bar propriamente dito – em composição com o ‘rolar com os bêbados pelas ruas imundas‘ faz dessas ruas como se fosse um grande bar, onde ocorrem os devaneios do personagem, por vezes sufocantes e cinzentos, tal como a fumaça cinza das fábricas, que é como se ele “tivesse carregando cem toneladas de desilusões.
Talvez o que o personagem quisesse dizer é que, o amor adolescente, ou a paixão (elementos que aparecem implicitamente em “E uma companhia na cama“) as vezes é como uma fábrica que provoca desilusões, e, aquela bebedeira toda não estava lhe fazendo bem (ou talvez tava, caso o personagem fosse real e tivesse de fato escrito a letra dessa música em um bar), ou então, hipoteticamente, a fumaça cinza das fábricas poderia ser uma coisa que lhe incomodava, e ele colocou isso no final da letra pra desanuviar um pouco desse negócio de ser abandonado pela sua garota na estação de trem e etc… Enfim, acho que essa música é boa para falar de outras coisas do que dela própria – apesar de que essa mistura de sentimentos e elementos figurativos faz todo sentido, se analisado sob a ótica do desenrolar da história do personagem.

#01 A peste

Por Fael Gomes via Solitude Jovem

Relato

23 de março de 2022

Meu nome é Noah Filipe, brasileiro, residente em São Paulo. Vos escrevo para externalizar minha indignação com uma situação distópica e estonteante que tenho vivido. Quando tudo isso começou foi uma explosão de positividade, depois do choque inicial, micro empresários e coletivos anônimos concentraram forças para amenizar os impactos sociais da peste.

Continue Lendo “#01 A peste”