Link útil para quem ainda quiser continuar nessa empreitada de escrever textos na internet

Ninguém mais lê textos na internet, na verdade até lê, mas textos longos com mais de uma página se tornam cansativos, a tecnologia mudou tanto que só quem já estava nessa obra desde a web 1.0 pode obter algum público e ter tempo livre para não competir com “redes sociais” e conteúdos voláteis tipo manchete de BBB.

Ainda assim, E ANTES FOSSE SÓ ISSO! a luz azul emitida pelas telas (emissão ativa de dentro da tela para fora) pode causar Miopia Virtual, quando é constante a frequência de leitura e escrita de coisas longas (o foco se perde, e a luz emitida pelos leds que iluminam os pixels que formam as letras se tornam mais fortes que as próprias letras iluminadas por eles).

Ao contrário da luz passiva que ilumina o seu livro ou o seu caderno, seja a luz do sol em meia sombra, seja a luz da lâmpada de sua casa.

A melhor solução para isso seria a existência de monitores com a tecnologia
E-Ink (tecnologia usada nos kindles)
, que, segundo os especialistas até o atual momento é uma tecnologia absurdamente cara para produzir em massa e a preço acessível – para ser usado como um monitor de computador em telas maiores como uma maquina de escrever moderna.

Então, é um caminho e tanto, se levar em consideração também, outras coisas, como por exemplo, dominar técnicas de otimização do código fonte do seu site e pagar hospedagem em servidor. Enfim…


Fora isso, se tu chegou até aqui pela última página do google e quer continuar nessa empreitada, tem um padrão de escrita que é razoavelmente aceito e ele está nesse link aqui (https://4one.ag/ninguem-vai-ler-os-seus-textos-no-blog-dicas-para-leiturabilidade/)

Site para pesquisar autoria de citações

Procurei, procurei, procurei…, e, não encontrei qual o tamanho e a partir de quantas palavras uma frase ou expressão precisa ter para ser considerada DEFINITIVAMENTE plágio! Portanto, essa postagem é só pra indicar algum site minimamente útil pra isso, para você não sair por aí replicando qualquer coisa atribuída a Albert Einsten por exemplo (acredite! tem muito disso por aqui – se você estiver em 2050 ou 3000 lendo essa bagaça aqui, desconsidere, pode ser que tenha melhorado ou piorado, sei-lá).

Site útil (é estrangeiro e mais trabalhoso, tem que rolar a tela até o menu, procurar o nome do autor, e só então procurar pela frase, tentei inserir na lupa do Quote investigations o nome do autor ou a frase traduzida e não funcionou!). É mais fácil você jogar a frase traduzida em um buscador qualquer (google, yahoo, bing, etc), se tiver no banco de dados do site vai aparecer a frase, geralmente na primeira página, se não tiver não vai aparecer nada.
https://quoteinvestigator.com/



Agora, se tu quiser uma coisa mais simples e segura, sem essas ‘gira volta’ aí tem o https://www.citador.pt/

“Desde o ano 2000 que o Citador recolhe conteúdos directamente das fontes bibliográficas, sem recorrer a cópias de outros sites ou contributos duvidosos a partir de terceiros.”

É isso!

Você pintou uma obra, e ainda tem dúvida se ela é original? Siga essas dicas!

Se você é um artista que pinta quadros e tem dúvida se a sua obra não se parece com de algum outro pintor, você deve se perguntar se esse pintor ao ver o seu quadro pintado o reconheceria como uma obra dele, ou como uma obra sua, na pior das hipóteses, ele poderia usar de má fé e dizer que você está imitando a obra dele e não poderia colocar o seu nome nela, isto é, se você dizer a ele nessa pergunta que foi você que pintou.

Para tirar totalmente a dúvida você deve fazer o seguinte – pegar o quadro que você pintou (sem dizer que é obra sua) e mostrar ao pintor X dizendo a ele o seguinte (como exemplo eu vou usar aqui Van Gogh como pintor X):

Diálogo:
Você: _Van Gogh achei sensacional esse seu quadro e resolvi comprar, onde acha que eu devo colocar?
Van Gogh (pintor X): _Meu quadro? Peraí esse quadro aí não fui eu que pintei não!
Você: _Ahh que ódio, me venderam errado!
Você: _Bom, mas achei bonito do mesmo jeito, onde devo colocar!
Van Gogh (pintor X): _Alí, do lado da varanda à meia-sombra acho que fica legal.

É um exemplo inútil, porque Van Gogh morreu no século retrasado e certamente você não conseguiria perguntar isso a ele, e sua dúvida não seria sanada assim, a não ser que você mesmo se colocasse no lugar de Van Gogh, se passando mentalmente por ele e perguntado se esse quadro se parece com o seu (com o que você pintou, antes de se colocar mentalmente no lugar de Van Gogh – sacou?). Se a resposta for não, significa que a sua obra é original e não se parece com a desse pintor X, é obvio que elas podem parecer com as do pintor Y, ou com as do pintor Z, mas você vai querer “comprar essa briga” correndo atrás de todos eles pra isso? Acho que não né! Até porque existe pintores que você não conhece, e existe bons pintores, com excelentes obras, que nunca conheceram sequer um pintor de renome antes de começar a produzir as suas.

Parece óbvio perceber que uma obra é copiada quando alguém coloca o seu nome em cima da obra de outra pessoa. Para ser uma cópia, é necessário que não apenas os traços do artista estejam presentes, mas sim o conjunto dos elementos que compõem a obra. No entanto, não é isso que acontece quando a obra passa para o ambiente da publicidade, quando não passa de mera identificação de apenas uma das partes dela.

Observe as imagens abaixo e me diga se a pintura na piscina se parece com a obra “noite estrelada” de Van Gogh.

Provavelmente você vai dizer que sim, porque está vendo a imagem de Van Gogh ao lado, mas se você visse só a imagem da piscina? O máximo que faria a imagem ficar parecida é a parte amarela destacada próximo à borda superior, ainda assim faltariam as montanhas ao fundo e as casas ao pé das montanhas, sem contar os contrastes esbranquiçados que caracterizam o vento. Tudo isso caracteriza a pintura da piscina como, no máximo, uma recriação e não uma “obra de Van Gogh”, como muitos sites nomeiam por aí, sem dar os devidos créditos ao autor. Nesse caso, toda pintura que lembra a obra de alguém e que é diferente em partes e portanto uma recriação, deve vir acompanhada do nome do autor associado da seguinte forma: “Recriação da obra de Van Gogh pintada por fulano de tal”.

Portanto, se você é um pintor que está em dúvida sobre isso, siga essas dicas. Caso você faça uma recriação, exija que o seu nome seja associado à obra e não somente a do autor que te inspirou.

Link útil:
https://jornalibia.com.br/destaque/como-e-determinado-o-valor-das-obras-de-arte/