“Tempo”!

Frequentemente misturamos o passado com o presente, e baseamos nossas memórias na tentativa de tornar a cognição uma própria memória, da incapacidade de separarmos um tempo do outro, como se a memória mais próxima do tempo presente fosse ser lembrada no ato seguinte, e dessa forma, como que por uma faísca, pudéssemos resolver todos os problemas da humanidade a fim de evitarmos os pensamentos negativos, baseados no medo da nossa própria aceitação pela sociedade no futuro. O presente se baseia no passado, com vistas ao futuro, mas não pode ser substituído nem por um e nem por outro.

Continue Lendo ““Tempo”!”